sábado, 7 de maio de 2011

O essencial faz a vida valer a pena.



Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para a frente do que já vivi até agora.
Tenho muito mais passado do que futuro.
Sinto-me como aquele menino que recebeu uma bacia de cerejas.
As primeiras, ele chupou displicente, mas percebendo que faltam
poucas, rói o caroço.
Já não tenho tempo para lidar com mediocridades.
Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflamados.
Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram,
cobiçando seus lugares, talentos e sorte.
Já não tenho tempo para conversas intermináveis, para discutir
assuntos inúteis sobre vidas alheias que nem fazem parte da minha.
Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar
da idade cronológica, são imaturos.


Detesto fazer acareação de desafectos que brigaram pelo majestoso cargo
de secretário geral do coral.
‘As pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos’.
Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência,
minha alma tem pressa…
Sem muitas cerejas na bacia, quero viver ao lado de gente humana,
muito humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com
triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade,
Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade,
O essencial faz a vida valer a pena.
E para mim, basta o essencial!

Mario de Andrade


As cerejas da minha bacia estão se esgotando com uma rapidez incrível e continuo perdendo tempo com tantas coisas e pessoas descartáveis!.Gostaria de ter coragem e sapiência para escolher e viver o essencial..

5 comentários:

  1. Carlos Conte Jr.7 de maio de 2011 07:17

    Ouvi dizer de um conhecido, que já ultrapassou os 40 anos, a seguinte frase:

    "Eu prefiro ser feliz a ter razão...isso a maturidade me ensinou."

    Acho que segue um pouco a linha desse belíssimo texto, não é, minha cara profª Gizelda?

    ResponderExcluir
  2. Se o essencial depende do abandono do egoísmo, da cobiça, das ambições desmedidas, das fugas a uma ilusão, da prepotência e da vaidade que discrimina, poucos são capazes de viver o essencial. Viver o essencial é viver na medida do humano, sem mais nem menos.

    Beijos.
    (BAR)

    ResponderExcluir
  3. Passando para desejar um grande Dia das Mães!
    Que o Domingo Nasça em FLOR...
    Abraços

    ResponderExcluir
  4. O ideal seria nascermos ao contrário. A saber dar valor a todas as cerejas da nossa bacia. Mas creio que o essencial é descobrir o valor da vida e vivê-la sem tempo para medicrioridades e egos inflamados. A Gizelda tem dentro de si essa essência, de saber distinguir o que vale a pena sentir e absorver. Admiro-a por isso.

    Um beijinho :)

    ResponderExcluir
  5. Gizelda, um dia achei que estava ficando maluca... bati por muito tempo na tecla dos valores morais, princípios e ética... mas, como tudo na vida tem um fim decidi mudar.
    Descobri que minhas angústias eram recusas de viver em uma sociedade antagõnica aos meus sentimentos.
    Depressiva, passei a considerar o verso de um poeta conhecido "...quanto mais conheço os homens, mais me decepciono com eles.", então mudei literalmente, ... de cidade, de casa, de grupo,... só ficou o essencial, minha família.
    Hoje, 3 meses após, concluo que a desesperança que invadiu minha alma era localizada, existe vida pós, gentileza, simplicidade, humanidade, comunidade e desapego ainda sobrevivem.
    Estamos ++++ felizes por aqui, a paz e a alegria voltaram, significando que o que faz a diferença é a sociedade onde estamos inseridos, afinal, somos parte dela, ou vc junta-se a ela ou bate de frente com ela.
    Lacan já dizia “… a única forma de medir o significado de nossa vida é valorizando a vida dos outros” ... se não há o que valorizar "Mude".
    Viver bem e feliz tem de ser agora, lembre-se que a vida é feita de ciclos e que a cada manhã há novos recomeços.
    Abçs meus e bjs da Isa.
    Drica

    ResponderExcluir