terça-feira, 30 de junho de 2009

Do Corpo Repousado.



Talvez a vida não seja luminosa
Mas tem momentos: o lago da cama, o sol
Na lombada dos livros, o joelho
Amável
Da mulher deitada. Como vai ser a manhã
Não sei, ergo a minha taça.

Amadurece o mar, mergulho na luz
E regresso a casa: a boca na maçã
À sombra do teu olhar, a música
Dos gatos, as tuas mãos que envolvem
As árvores ao meio dia. Sabor a terra,
Gota a gota na minha língua.

Caminho na praia como quem sente
As peles sobrepostas do mundo em volta
Do meu corpo, coração de pó
E sento-me em repouso a ouvir a respiração
Do vinho. Talvez a noite não apague
Esta magia.

Casimiro de Brito in 69 Poemas de Amor,4Águas Editora 2008

2 comentários: