quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Reter o que não há.




E de novo acredito que nada do que é importante se perde verdadeiramente. Apenas nos iludimos, julgando ser donos das coisas, dos instantes e dos outros.

Comigo caminham todos os mortos que amei,
todos os amigos que se afastaram,
todos os dias felizes que se apagaram.

Não perdi nada apenas a ilusão de que tudo podia ser meu para sempre.

Miguel Sousa Tavares, Eternamente

2 comentários:

  1. lindo, lindo, lindo!!!! é muito verdade essa parte: "E de novo acredito que nada do que é importante se perde verdadeiramente. Apenas nos iludimos, julgando ser donos das coisas, dos instantes e dos outros." sempre achei isso!!!!

    ResponderExcluir
  2. João Carlos Macruz30 de agosto de 2009 15:02

    Gizelda

    Decerto que não sou o único - mas, para mim, esse texto coube como uma luva.

    A indescritível força das palavras...

    Aproveito para novamente te agradecer a visita ao meu blog. É um privilégio para mim a tua presença, tenha certeza.

    Abraços.

    João
    http://cartasdetiro.wordpress.com

    ResponderExcluir