sexta-feira, 23 de maio de 2008

Desobrigar-se do compromisso.



Não digamos, Amanhã farei, porque o mais certo é estarmos cansados amanhã, digamos antes, Depois de amanhã, sempre teremos um dia de intervalo para mudar de opinião e projeto, porém ainda mais prudente seria dizer, um dia decidirei quando será o dia de dizer depois de amanhã, e talvez um dia preciso, se a morte definidora vier antes desobrigar-me do compromisso, que essa, sim, é a pior coisa do mundo, o compromisso, liberdade que a nós próprios negamos..."

Excerto do livro de José Saramago, O Ano da Morte de Ricardo Reis, 1984

Um comentário: